Vestido que muda de cor: roupa digital altera o visual com um toque


Modelo foi usado em desfile na semana da moda em Nova York. Animação também é ativada usando sensores de movimento. Vestido que muda de cor: roupa digital desenvolvida pela Adobe altera o visual com toque
Se arrepender do visual e poder mudar a cor ou estampa da sua roupa apenas com um toque: é isso que faz o vestido digital que participou das passarelas da semana da moda de Nova York, que aconteceu de 9 a 14 de fevereiro. Confira no vídeo acima.
O vestido foi lançado em outubro do ano passado pela Adobe, dona do Photoshop.
Na primeira apresentação do vestido, Christine Dierk, uma das desenvolvedoras da tecnologia, mostrou como as animações são acionadas. Além de um botão que ativa as mudanças no vestido, ele também possui um modo que conta com sensores embutidos, permitindo que a projeção se adapte ao movimento do usuário sem nenhum comando.
Para as passarelas, houve ainda uma novidade: a imagem projetada pode ficar repetindo em looping, poupando o usuário de gerenciar a animação enquanto caminha.
E não para por aí: as telas, que foram costuradas primeiramente apenas na frente do vestido, agora já podem ser usadas em uma versão 360°, ou seja, também atrás.
Roupa digital desenvolvida pela Adobe muda o visual com um toque
Divulgação / Adobe
Para conseguir mudar de cor, o vestido possui mais de mil pétalas em forma de lantejoulas, costuradas à mão e conectadas como telas em miniaturas, para a projeção em conjunto.
Leia também:
Azul e preto ou branco e dourado? Quase 10 anos depois, vestido que viralizou continua gerando polêmica e é motivo de estudos
Usar emoji de berinjela para paquerar não pega bem, diz pesquisa
Como o vestido foi desenvolvido?
O modelo que desfilou, desenhado por Christian Cowan, é uma evolução do vestido do projeto Primrose, desenvolvido pelos cientistas da empresa, o engenheiro pesquisador TJ Rhodes, a pesquisadora Christine Dierk e o vice-presidente, membro e chefe de pesquisa da Adobe Gavin Miller.
O maior desafio para Miller e Rhodes foi a criação de eletrônicos adequados para roupas, que tivesse como característica ser leve, flexível, durável e seguro para a pele.
Miller, que já tinha experiência em robótica, explica que o vestido é como uma versão gigante dos circuitos que ela usa em robôs. “Tivemos que usar materiais especiais para janelas inteligentes e projetar a lógica dos interruptores em um chip que fosse fino, flexível e robusto o suficiente para funcionar”, disse Miller em divulgação da Adobe.
A equipe teve ainda que criar uma tela 2D para testar o circuito considerando dobras e flexões, uma vez que a pessoa que usa o vestido irá se mexer.
Depois, foi criada ainda uma bolsa, antes de retomarem os testes em vestido.
Saiba também:
Quase 10 anos depois, vestido que viralizou continua gerando polêmica
Musk mostra robô da Tesla dobrando camiseta
Saiba se está sendo vigiado: veja sinais um celular infectado com aplicativo espião

Fonte: G1_Tecnologia

Tags: No tags

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *